quarta-feira, 27 de junho de 2018

Deputados reúnem-se com vereadores de Araioses


O presidente da Assembleia Legislativa, deputado Othelino Neto (PCdoB), acompanhado dos deputados César Pires (PV), Júnior Verde (PRB), Paulo Neto (DEM) e Edilázio Júnior (PSD), reuniu-se, nesta terça-feira (26), com vereadores da Câmara Municipal de Araioses. Eles vieram pedir o apoio do Parlamento Estadual na resolução de várias situações de irregularidades, que, segundo eles, vêm acontecendo no município.

A comitiva foi composta pelos 13 vereadores que integram a Câmara Municipal de Araioses, que apresentaram aos parlamentares a atual situação em que se encontra o município. De acordo com os legisladores municipais, a população está sendo prejudicada pela deficiência dos serviços de saúde, falta de merenda escolar, além de indícios de irregularidades na administração pública.

“Nós ouvimos as reclamações dos 13 vereadores, que compõem a Câmara Municipal de Araioses. Ouvimos as reclamações e desejamos que a cidade volte, o quanto antes, à normalidade. Eles, inclusive, vão visitar representantes do Poder Judiciário e do Ministério Público. Nós lamentamos que a cidade esteja enfrentando essa turbulência política e, para que a população não continue sendo punida, esperamos que, rapidamente, tenha um desfecho, para que os serviços públicos possam voltar a chegar às pessoas”, assinalou o deputado Othelino Neto.

Ele disse que é importante a união dos agentes públicos para buscar uma solução a favor da população. “São reivindicações que, na verdade, são gritos da sociedade, para que nós possamos, como parlamentares, acolher essas iniciativas, no sentido de levar a educação, a saúde e a infraestrutura necessária. A Câmara tem, inclusive, uma Comissão Processante apurando essas irregularidades. Precisamos unir forças em defesa da sociedade de Araioses”, afirmou.

Reclamações

O presidente da Câmara Municipal, vereador Elson Coutinho, ressaltou que a comitiva veio pedir o apoio do Parlamento Estadual, para que seja encontrada uma solução, o mais rápido possível, para os problemas de Araioses. “Viemos buscar o apoio dos deputados para mostrar a realidade do nosso município, o que estamos sofrendo. Não é à toa que estamos aqui, os 13 vereadores, a Câmara em peso, a favor da população, mostrando as dificuldades de Araioses e o abandono”, disse.

“Nossa principal reivindicação é em relação às demandas da população de Araioses. Escândalos com licitações fraudulentas, falta da merenda escolar e medicamentos nos postos de saúde. Enfim, um verdadeiro caos, onde, nesses últimos anos, nunca vimos uma gestão tão despreparada. A população de Araioses pede socorro”, complementou o vereador Ingram de Tarso.

Oportunidades de negócios com a reciclagem do lixo


Reciclagem não é só uma ideologia de querer consertar o lixo que produzimos e com isso salvar o planeta, tem muita gente lucrando com isso. O que une responsabilidade pelas próximas gerações e dinheiro no bolso, sim, porque não? A INDAMA é uma empresa que atua no ramo de indústria, desde 1997, tendo como principal finalidade a reciclagem de subprodutos de origem animal e vegetal, destacando-se no desenvolvimento de Logística Reversa e Logística Verde.

“No inicio era Indústria de Derivados de Animais do Maranhão (INDAMA), e esse nome  consolidou-se no mercado, mas nos tiramos à parte de derivados de animais, pois passamos a trabalhar com as partes vegetais também”, lembra Rafael Pinto, proprietário da empresa que está há 21 anos no mercado de São Luís. “Na verdade nós industrializamos toda parte não comestível do gado, que recolhemos nos frigoríficos de São Luís, no caso, gorduras e ossos. A parte da gordura vira sebo bovino para a fabricação de sabão e biocombustível. Os ossos e carne viram farinha para ração de aves, no caso frangos, especificamente”, explica Rafael que entrou no ramo da reciclagem da fritura de óleos desde 2007.

A empresa foi uma das pioneiras entre as empresas no Nordeste e também em todo o Brasil  na coleta de Óleo vegetal saturado, popularmente conhecido como óleo de fritura ou óleo de cozinha, onde recolhe nos Shoppings da cidade, hotéis, bares e restaurantes, supermercados, buffets, cozinhas industriais, hospitais, escolas, igrejas, universidades, comunidades, além de parcerias com Organizações Não Governamentais (ONG’S) e programas como o EcoCemar e Ecopontos da prefeitura de São Luís.

“Se alguém entrar em contato, nos pegamos também os óleos residenciais, mas infelizmente não é nosso foco, pois trabalhamos com quantidade industrial, o grande volume esta no comércio. Então, não dá para disponibilizar dois funcionários e um caminhão de coleta para sair de porta em porta pedindo seu óleo de fritura satura. É aí que contamos com as Ong´s e centros de captação desses matérias, como a EcoCemar, do qual tínhamos uma parceria, mas por falta de recolhimento deles, deixamos de pegar lá e hoje pegamos nos Ecopontos da prefeitura de São Luis”, avisa Rafael.

Quanto aos lucros, Rafael disse que é possível sim ter uma boa renda. “É um bom lucro sim, até porque já estou neste ramo de reciclagem há mais de 20 anos. No meu caso, que já tenho um maquinário que industrializa a parte do gado, eu consigo também separar a parte do óleo também, né? Então a gente só precisou adquirir uma máquina a mais, para ampliar a nossa estrutura e processar só a parte do óleo. Ou seja, nos agregamos mais um atividade em nossa rentabilidade. Mas se fosse só o óleo, seria mais complicado.”, explica o proprietário da empresa que compra 1k de óleo por R$ 0,50 a R$ 1,00 e vende ele processado por R$ 1.50 a 2,00. No caso da carne e ossos, ele compra por R$ 0,20 o quilo e vende ela processada por R$ 0,80 o quilo.  

Mercado

Para o engenheiro de inovações da Cemar, Lucas de Paula Assunção, o mercado de empresas de reciclagem no Maranhão precisa ainda evoluir bastante, principalmente a iniciativa privada, que precisa ter um olhar para este novo mercado. “A reciclagem acontece de fato é na indústria. O papel vai voltar para à indústria de papel, o vidro para a indústria de vidro, e assim é com todos os demais resíduos. Então, os estados receptores destes materiais são estados que tem uma atividade industrial forte, como parte da Bahia e Ceará, no nordeste, e principalmente, os estados da região sul e sudeste. Então, boa parte desse material que recolhemos sai todo daqui do Maranhão”, afirmou Lucas.

Além de reduzir o valor da conta de energia para o cliente, o projeto EcoCemar, da Companhia Energética do Maranhão (Cemar), é um ponto de distribuição destes resíduos, que boa parte é doada para cooperativas e outra vendida para empresas de reciclagem. “No Maranhão, as  empresas de reciclagem são poucas e isso tem um impacto direto no mercado de compra e venda dos resíduos. Como você tem pouca concorrência, o preço dos resíduos é barato. O preço que é praticado hoje no nosso projeto de desconto na conta de luz é o mesmo preço da venda deste material. Quando houver um competitividade no mercado, o resíduo do cliente vai começar a ser disputado, e aí, no futuro, as pessoas não vão querer mais jogar seu lixo fora, porque as empresas vão querer esse material”, questiona. 

Cooperativas

O material reciclável descartado pela população de São Luís nos Ecopontos também são entregues gratuitamente às cooperativas. Isto permitiu as cooperativas uma diversificação nos seus negócios. Foi o que aconteceu com a Ascamar que agora, além de comercializar os materiais recicláveis que recebe, produz e revende produtos feitos a partir da reciclagem do óleo de cozinha recebido nos Ecopontos.

Na Ascamar funciona uma pequena fábrica de produtos de limpeza e higiene (sabão em barra e líquido, detergente e sabonete) feitos a partir da reciclagem do óleo de cozinha usado. Desde então, já foram recolhidos nos Ecopontos mais de 1.100 mil litros de óleo de cozinha usado. Com isso, a renda média bruta mensal da associação que era compreendida na faixa de R$ 6.000,00, em 2016, passou para R$ 10.500,00 em 2017.

Já a renda média bruta da cooperativa Coopresl, por exemplo, antes era de R$ 3.000,00 e cada cooperado recebia em torno R$ 300,00. Agora a renda média mensal bruta da cooperativa chega a aproximadamente a R$ 16.500,00, que equivale à renda média bruta por cooperado de R$ 1.100,00.
Segundo dados de 2010 do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), se todo o lixo produzido no país fosse reciclado, em vez de seguir para aterros e lixões, poderia gerar uma receita de mais de R$ 8 bilhões por ano, oito vezes mais do que se lucra hoje, cerca de R$ 1 bilhão.

Renda bruta mensal da Ascamar
2016                    2017

R$ 6.000,00        R$ 10.500,00

Renda bruta mensal da Coopresl
2016                    2017

R$ 3.000,00        R$ 16.500,00

*Fonte: prefeitura de São Luís

Pontos para descarte de resíduos em São Luís

Ecopontos
Dez pontos da prefeitura já estão nos bairros de Fátima, Bequimão, Habitacional Turu, Jardim América, Angelim, Residencial Esperança (atrás do Atacadão), São Francisco (Ferreira Gullar), Cidade Operária (próximo ao campo do Real), Renascença II (Igreja São Paulo Apóstolo) e Anil (próximo ao Instituto Divina Pastora). Recebem papel, plástico, alumínio, vidro e óleo alimentar usado, além de resíduos de poda e capina, da construção civil, lixo eletrônico;

Ecocemar

Pontos no calhau, Cohab, Anil, Jaracati, Anil, Maiobão, Cohatrac, Cidade Operária, Anjo da Guarda, Alemanha, UEMA, Areinha, Imperatriz. Recebem: papel, plástico, alumínio, tetra-pack e óleo alimentar usado. Mais informações acesse http://falaparceiro.cemar116.com.br/=1

Ascamar

Associação de Catadores do Maranhão, situado na Madre Deus. Recebem plástico, papel, papelão, tetra pack e óleo alimentar;

CEASA
recebe papelão e plástico

Instituto Florence

Recebe medicamentos fora da validade para descarte adequado. Possuem um ponto no centro, na propria faculdade, e outro no Shopping da Ilha (3º andar junto às escadas);

Multicoisas

Recebem baterias e pilhas usadas

Americanas

recebem pilhas e baterias usadas;

Centro Elétrico

Recebe lâmpadas usadas;

CCET, UFMA

Recebe lixo eletrônico;

Supermercado Bompreço
(bairro do Olho de Água)
Recebe baterias e pilhas usadas;

Lojas O Boticário

Recebem frascos, cartuchos, potes e outros recipientes das quatro marcas do Grupo Boticário. Em determinadas datas há prêmios, como itens de maquilagem, para quem faz a entrega.

Lojas Renner

O estabelecimento têm coletores que recebem frascos de perfume, esmalte, shampoo etc. Não precisa ter sido comprado lá.

Loja Puket

Recebem meias usadas. O projeto Meias do Bem foi criado para transformar meias velhas, rasgadas, manchadas, em cobertores.

sábado, 23 de junho de 2018

Secretário destaca redução do número de homicídios no Maranhão


O secretário de Estado de Segurança Pública do Maranhão, Jefferson Portela, foi o convidado desta sexta-feira (22) do “Sala de Entrevista”, quadro exibido no telejornal Portal da Assembleia, na TV Assembleia. Antes, ele também concedeu entrevista para a Rádio Assembleia online, no programa “A Voz do Parlamento”, apresentado pela jornalista Josélia Fonseca.

No bate-papo com o jornalista Juraci Filho, no “Sala de Entrevista”, Jefferson Portela falou sobre vários assuntos e, entre outras coisas, destacou os avanços da pasta, afirmando que o número de homicídios, por exemplo, foi reduzido significativamente. “De 2009 a 2014, o Maranhão teve uma elevação de homicídios da ordem  de 308%. É um número grave, que nós conseguimos reverter. Foi um salto muito grande num período não prolongado. Agora, estamos numa escala de três anos com a seta criminal apontando para baixo em relação ao crime contra a vida”, revelou o secretário.

Portela fez uma observação sobre o aumento do efetivo policial no Maranhão, que passou para 12 mil, e salientou a criação da Superintendência Estadual de Homicídios. Ele falou ainda sobre o esforço no combate a explosões e arrombamentos de agências bancárias. “Em 2014, havia 48 casos e reduzimos para 13, ou seja, uma diferença de 73%. Isto se deve ao conjunto de atividades policiais. A inteligência deve sempre anteceder a parte operacional. Hoje, temos um sistema integrado com o Nordeste e com o Brasil em relação aos crimes mais violentos, como tráfico e roubo a bancos”, frisou.

Ainda sobre explosões e arrombamentos a bancos, o secretário lembrou que seis ou sete casos eram registrados em apenas uma semana no Maranhão. Realidade esta que não existe mais. “Nós tivemos a menor redução do Brasil nessa modalidade de crime e houve uma conjugação de fatores. Nós criamos unidades apropriadas para esse tipo de combate, tanto na Polícia Militar quanto na Polícia Civil. Desenvolvemos operações mensais. Há um período em que deslocamos um contingente integrado da capital para o interior. São policiais civis e militares envolvidos na mesma ação e na mesma área. Isso implica em ótimos resultados”, destacou, citando ainda o Departamento de Roubo a Bancos, ligado à CEIC e que já efetuou a prisão de mais de 280 assaltantes de bancos no Maranhão, todos encaminhados à Penitenciária de Pedrinhas.

Pacto Integrador de Segurança

Em um dos momentos da entrevista, Jefferson Portela mencionou a criação do chamado Pacto Integrador de Segurança Pública, que é a aliança entre os estados para combater crimes transnacionais e interestaduais, como é o caso do tráfico de drogas, para compensar, segundo ele, a omissão da União no que se refere a esse aspecto. “Hoje, a polícia maranhense, pelo convênio que assinamos, pode sair daqui até Goiás, por exemplo, e prender criminosos ou desenvolver ações integradas com a polícia de lá, sem essa demarcação de divisas, que era um impedimento legal. Hoje, o pacto integrador agrega 24 estados e isso possibilitou uma intervenção operacional muito forte”, disse.
 
O secretário abordou ainda a criação do Ministério da Segurança Pública, que, na opinião dele, ajudará, e muito, porque especializa a gestão pública. “O Ministério da Justiça cuidava, prioritariamente, da questão prisional e são duas coisas completamente distintas. A ação da segurança e do policiamento é uma coisa e o aprisionamento é algo completamente diferente. O Ministério da Justiça priorizava toda a aplicação de recursos, que é algo muito caro para o sistema prisional. Agora, não. Nós teremos um Ministério próprio, com uma verba própria para aplicar na segurança pública”, analisou

Desconto nas corridas com vitórias do Brasil


A Visa, patrocinadora oficial da Copa do Mundo FIFA Rússia 2018, e a Easy (www.easytaxi.com) oferecem descontos progressivos em corridas de táxi pelo app durante a Copa do Mundo FIFA 2018, oferecimento Visa. Os resultados dos jogos do Brasil determinarão os benefícios oferecidos aos passageiros de táxi que realizarem o pagamento com Visa Checkout (https://www.visa.com.br/pague-com-visa/visa-checkout.html), utilizando seu cartão Visa cadastrado, em todo o país. Se o Brasil for o Hexacampeão, o desconto será de 100% e limitado a R$ 30,00.

Os passageiros de táxi terão desconto no dia seguinte da vitória doBrasil ao pagar as corridas com Visa Checkout, utilizando seu cartão Visa cadastrado. Atualmente, os passageiros já tem 30% de desconto em todas as corridas pagas desta forma. Com a campanha e as vitórias do Brasil, o desconto aumenta a cada jogo (limitado sempre a R$15), podendo chegar em 100% em caso de hexa!

O desconto é aplicado automaticamente ao final das corridas elegíveis pagas com Visa por meio do Visa Checkout e é válido para cinco usos por passageiro. No dia seguinte da final da Copa do Mundo FIFA Rússia2018 (16/07), será uma viagem com desconto por passageiro em caso de vitória brasileira. O app da Easy está disponível gratuitamente para iOS e android.

Como cadastrar o Visa Checkout no aplicativo Easy

1.       Cadastre-se no aplicativo da Easy
2.       No app da Easy, clique na opção "Meus Cartões" do menu principal.
3.     Selecione o botão do Visa Checkout e siga os passos para criar sua conta.
4.       Selecione seu cartão Visa dentro do Visa Checkout e confirme.
5.      Peça sua corrida e pague-a com o Visa Checkout, utilizando seu cartão Visa cadastrado.
6.      O desconto será aplicado automaticamente e o usuário visualizará ao final da corrida

Regulamento da ação:https://s3.amazonaws.com/promo.easytaxi.com/br/Regulamento-VisaCheckout-COPA/index.html